Julho de 2014

Visita de um irmão ao Sudão do Sul

A violenta crise que eclodiu em meados de Dezembro 2013 esmagou o mais jovem e o mais pobre dos Estados do mundo. As negociações entre os representantes dos dois campos opostos estagnaram. A tristeza e ansiedade da população são grandes. Em áreas não afetadas pelos combates, a vida continua. Neste contexto, é difícil as pessoas deslocarem-se e programar com antecedência alguns encontros, mas uma visita fraterna permite expressar, concretamente, a solidariedade. Foi o que fez um dos irmãos da fraternidade de Taizé com sede em Nairobi, no vizinho Quénia. Ele escreve:

Evacuados com urgência durante a crise, os funcionários da ONG pouco a pouco foram regressando. O pessoal da igreja e os missionários não abandonaram o campo, alguns partilhando o destino das comunidades onde trabalhavam, nas suas deslocações forçadas e nos seus sofrimentos.

Em Juba, as igrejas transformaram-se em lugares de refúgio. Quando fui lá, muitos tinham deixado as paróquias onde eles se tinham refugiado. Mas no Gumbo, nos arredores de Juba, o padre David, salesiano originário da Índia, assume já há seis meses o seu acolhimento, sem o apoio de instituições internacionais: «Acolhemos 1600 deslocados no nosso campo, sendo que 1.200 são crianças, debaixo de 290 lonas de plástico. Eles chegaram de noite. Os homens ficaram para combater. A cólera afetou-nos, mas agora a situação está sob controlo.»

Creche no campo nº 1 em UN House Juba

A irmã Eugénie trabalha nos dois campos geridos pela ONU em Juba. Ela orienta-me pelo labirinto de vielas e nas passagens entre as cabanas. «A parte mais difícil para os homens é a inatividade. Não há trabalho.» A água do Nilo chega em camiões cisternas e é armazenada em tanques e tratada no local.

Seminaristas no seu dormitório

O Estado dos Lagos, no centro do país, é uma região de floresta e de pântanos. Durante a estação das chuvas, as estradas estão intransitáveis. Demora cerca de três horas para percorrer os 60 quilómetros que separam Rumbek, capital do Estado, de Mapuordit. Nesta grande vila, seminaristas no seu dormitório, no pequeno seminário, em Santa Bakhita vivem 53 rapazes originários das quinze paróquias da diocese. Eles estudam durante o dia na escola secundária nas proximidades. Eles acolheram-me durante três dias durante os quais partilhamos, tendo em conta a sua disponibilidade, momentos de oração e reflexão bíblica.

Daniel Ranthiar é agora por duas vezes pai. Sem ter conseguido concluir o ensino secundário, ele tornou-se vice-diretor do mesmo. No seu estabelecimento, ele acolhe dezoito raparigas de aldeias remotas que assim podem chegar mais facilmente à escola. Mas as condições são muito simples. O menu é o idêntico todos os dias: arroz e feijão vermelho. Sem energia elétrica e sobretudo sem água desde que a bomba do bairro deixou de funcionar. Este é o problema de toda a aldeia, das dezasseis bombas apenas três ainda funcionam. Muitos vão encher as vasilhas à torneira do seminário. Tenta-se recuperar a água da chuva, «mas não está limpa!» Mantém-se as poças de lama onde as mães vêm preencher seu pote de barro com um copo.

A família de Daniel Ranthiar

As irmãs de Loreto de Rumbek colocam toda a sua energia e habilidades ao serviço de uma causa: a educação das meninas. Nos países Dinka é uma emergência e um desafio considerável. As raparigas estão todas destinadas a casarem-se em troca de um dote em bovinos para a qual a família do futuro marido é solicitada. Conforme os pedidos, o pai pode decidir do dia para a noite casar a filha, que a partir desse momento passar a «pertencer» à família do marido, que teve de contribuir para o dote. Sr Orla é diretor do liceu: «Todas as semanas, temos um pedido para retirar uma aluna da escola. Às vezes, conseguimos convencer a família de que é melhor para que todos, deixá-la terminar a escolaridade.»

Turmas de 1º ciclo debaixo das árvores, Loreto – Rumbek

Reunimo-nos para começar uma reflexão e estabelecer o tempo de oração com todas as alunas. Algumas já eram líderes no ano passado e constituíram um núcleo muito motivado. Eles continuaram a preparar orações na escola durante todo o ano. O tema desta semana: «Tornar-nos líderes segundo o Evangelho». Desenvolvemo-lo em três etapas: como ser um líder na oração, no serviço aos outros, na proclamação da Palavra de Deus. Às 14:30 lançamento da reflexão bíblica, seguida dos primeiros 45 minutos de reflexão pessoal e do mesmo tempo para a partilha em pequenos grupos.

Grupo de partilha de Loreto – Rumbek

Um dos especialistas no Sudão do Sul partilha a sua análise sobre a crise atual. «Muitos países conheceram um período turbulento após a conquista da independência: os primeiros Estados Unidos em primeiro lugar... Seria uma constante na história? Esta guerra não é bonita. Os sudaneses norte fazem jogo duplo; oficialmente, eles apoiam Juba, mas permitem também a entrega de armas aos rebeldes assim como o seu ajuntamento no outro lado da fronteira. Na altura da independência há três anos, os problemas do país não foram tidos em conta. Agora tudo está sobre a mesa, não podemos escondê-los mais. Mas isso vai levar tempo.»

Verão de 2013

Alguns ecos do Sudão do Sul, na sequência de uma visita de um irmão.

Yambio é a capital do Estado da Equatória Ocidental, no sul do país, na floresta que se prolonga pelo Congo e pela África Central. Um padre conta: «Na nossa região, acumulámos provações: houve a guerra; depois os abusos do Lord’s Resistance Army. Muitos estão ainda traumatizados e não querem regressar às suas aldeias. Os jovens são numerosos, prontos a trabalhar. Faz falta formá-los, desenvolver o seu potencial. Contudo, 80% dos jovens não foram à escola e não têm trabalho. O que devemos fazer com os que têm mais de vinte anos, para lhes dar um objectivo na sua vida?»

Rumbek fica no coração da região dinka. A porta da única divisão onde vive e trabalha o padre Colombo, administrador da diocese, fica aberta. Depois dos primeiros minutos, onde é perceptível uma imensa fadiga, o discurso anima-se e a paixão pela missão surge. Ele explica: «A não ser no que se refere à paróquia de Rumbek, seria preciso abrir uma vintena de capelas. As necessidades pastorais são enormes. Há também a formação dos seminaristas. Estou em África há dezenas de anos; aqui é o lugar mais duro e mais pobre».

John Mathiang é um dos três padres dinkas da diocese de Rumbek. Ajuda a começar uma escola primária que acolhe, além das crianças da aldeia, as crianças dos repatriados do norte em vias de reintegração. «O ministério da educação apenas assegura dois lugares de professor», diz ele. «Para os outros, pedi a jovens diplomados do secundário que assegurassem o ensino na base do voluntariado. Graças à ajuda da Operação Esperança, pudemos construir um lugar para armazenar a comida e preparar o pequeno almoço para as crianças. É uma forte motivação para os incentivar a vir à escola. Em casa, muitas vezes só têm uma refeição por dia. Além disso, estamos a construir salas de aula para os alunos que continuam a ter aulas debaixo das árvores de carité.

Desde há dois anos, cerca de um milhão de refugiados da guerra civil regressaram ao Sudão do Sul, tornado independente. Subiram o Nilo de barco e depois foram encaminhados de camião. Originários da região, a maior parte nunca aqui viveu. Nasceram no norte, nos campos à volta de Cartum. Falam um dinka aproximado e nunca mergulharam na sociedade tradicional. «Vai ser preciso integrá-los aos poucos. As crianças já vêm à escola primária» explica John Mathiang.

Por todo o lado, os jovens exprimem o seu desejo de formação e de estudo e a sua disponibilidade para começar a trabalhar, se alguém lho der. A implementação de canais e de planos de desenvolvimento é questão para alguns anos. As necessidades são tais que todos teriam algo para fazer. ONGs, agências da ONU, instituições religiosas e mesmo a administração local propõem estratégias, meios, pessoal generoso e qualificado. É notável que muitos destes jovens estejam conscientes da necessidade de aprofundar os seus fundamentos pessoais, para construírem a sua vida e servirem a sua comunidade e o seu país. Pressentem que a fé e uma comunhão com Cristo são essenciais para estabelecer de forma sólida e duradoura esta referência. São capazes de descobrir que a exploração de um texto bíblico ou que uma oração de escuta são caminhos pelos quais Deus nos pode iluminar e permanecer em nós. Um acompanhamento ou uma experiência partilhada poderá encorajá-los e confirmá-los.

População estimada: cerca de 12 milhões de habitantes. Esperança média de vida: 42 anos. 73% de analfabetismo. 1,6% da população com o ensino secundário. 50% da população vive abaixo do limiar de pobreza.

Outubro de 2011

«Somos uma nação na infância, existimos há apenas três meses e três dias. Mas, hoje, somos cidadãos de primeira classe. Qual é o nosso papel na construção de um novo Sudão? Pode o amor ter lugar na política e no desenvolvimento?» disse o Bispo Santo, Bispo Auxiliar de Juba, apresentando à partida todos os objectivos no simpósio «Uma igreja de cada tribo, língua e povo», que teve lugar na capital do Sudão do Sul entre 13 e 16 do último mês de Outubro. Um irmão de Taizé que vive em Nairobi participou neste encontro.

JPEG - 19.8 kb

Um grupo de jovens em Rumbec

Foi a primeira vez desde 1984 que a Igreja Católica se reuniu e lançou um convite além dos seus limites: representantes de outras igrejas, membros do parlamento e representantes governamentais. A atmosfera estava ainda marcada pela proclamação da independência a 9 de Julho de 2011: gratidão e seriedade perante o futuro desconhecido.

Desde a primeira expedição dos exploradores ocidentais e o princípio da colonização em cerca de 1820, o destino dos sudaneses do sul foi um caminho de sofrimento e humilhação, com o domínio turco, a revolta mahdista e a soberania anglo-egípcia, seguidos por uma rápida descolonização que beneficiou apenas o Norte, que impôs o seu jugo e desejo de adoptar uma cultura árabe e islâmica. Tal provocou resistência no Sul: motins, movimentos de guerrilhas, exílio. O preço foi elevado em vidas humanas e no atraso no desenvolvimento, mas este caminho difícil e complicado foi também de entrada no mundo. «Hic sunt leonês» (Aqui estão leões) – até ao século XVIII, era esta a única indicação nos mapas. Durante os conflitos, negociações, remissões e recaídas na violência, frequentes vagas de refugiados; passo a passo deu-se um despertar para o mundo exterior, um alargar de contactos. O ano de 2011, com o referendo sobre a independência e a proclamação da independência seis meses depois, coroou este reconhecimento internacional. «Somos o 193º país das Nações Unidas e o mais pobre do planeta…»: palavras que falam de orgulho no caminho percorrido e na imensidão da tarefa que se encontra pela frente.

JPEG - 16.1 kb

A preparar uma oração

Peter Tiberius reformou-se do ensino público, portanto é duplamente um «ancião» cujas palavras e testemunho são respeitados. «Da escravatura à independência de hoje, foi a fé que nos libertou! Foi a fé que abriu os nossos olhos e é por isso que, chegados à independência, queremos agradecer aos nossos antecessores e as pessoas que os trouxeram até nós. Os nossos povos foram marcados pela escravatura. Duvidavam que tivéssemos almas. Os missionários chegaram com outra perspectiva: aprenderam as línguas locais, foram a funerais, participaram nos eventos oficiais. Acreditavam na evangelização de africanos livres. Fizeram tudo o que podiam para erradicar a escravatura. África não é uma terra amaldiçoada, os seus habitantes não nasceram para ser escravos. São seres humanos dignos de serem salvos, libertos, evangelizados e desenvolvidos. Nós não existíamos: eles colocaram-nos no mapa deste mundo, tornando-nos parte da Igreja universal. Esta era a convicção de Daniel Comboni, que tinha uma dupla paixão: pelo Evangelho e por África. Trouxe uma abordagem renovada à missão: a cooperação de todos, o estabelecimento de uma igreja africana autónoma, a importância das mulheres. Em termos práticos, os missionários introduziram a agricultura, as primeiras máquinas, livros; mas, também, a procura da paz, reconciliação, perdão e acolhimento dos outros entre as tribos que lutavam entre si. Durante os anos do conflito, e apesar da expulsão dos missionários, a Igreja foi a única instituição que permaneceu no local. O governo traiu-nos, as Nações Unidas retiraram-se, os sistemas tradicionais foram destruídos. Os catequistas continuaram a liderar as comunidades locais que, por vezes, tiveram que se mudar em procura de refúgio. A Igreja forneceu alimentação de emergência, cuidados de saúde, educação, segurança, e, igualmente, mediação nas negociações de paz. A Igreja foi a única voz a defender os direitos humanos.»

JPEG - 18.7 kb

Liceu Loretto em Rumbec

As histórias seguem-se umas às outras, repletas de dignidade, modéstia, de contenção sobre o sofrimento passado. Os avisos dos organizadores e as questões do público revelam de igual modo a vertigem experienciada perante esta nova liberdade.

No final do serviço de domingo na catedral, o Presidente Salva Kiir, um paroquiano regular quando se encontra na capital, é convidado a falar. Especialista em educação, explica a acção do Governo nos últimos meses e encoraja cada pessoa a fazer a sua parte no esforço que será necessário: «Independência é liberdade, é responsabilidade. Vamos ter que desenvolver um radar para discernir o que bom do que não é.»

«Juba não é o Sudão do Sul!», recordavam-me todos os que encontrava, «tem que ir às províncias». E foi assim que, após um voo de 45 minutos num avião do Programa Alimentar Mundial, fui imerso durante uma semana no centro do país, na região de Rumbek, capital do Estado dos Lagos.

A duas horas e meia a nordeste de Rumbek, do outro lado da planície arborizada e dos pântanos, a paróquia de Tonj é gerida por uma equipa de salesianos. James vem da Índia, Pedro é espanhol, Henry é coreano… Apresentou aos jovens os cânticos de Taizé, que descobriu enquanto treinava em Brooklyn. Esta noite é o terceiro convite para uma noite de oração meditativa. Às 16.30, juntamo-nos aos jovens que ensaiam os seus cânticos na guitarra, conduzidos por um voluntário eslovaco. Um irmão vietnamita organiza a decoração do pequeno pódio no meio do jardim da escola primária.

JPEG - 18.3 kb

Uma igreja em Rumbec

Prosseguimos, improvisando cuidadosamente dois dias de retiro com os estudantes da Escola do Loreto. Há um encontro debaixo de uma árvore às 16.30 para reflectir sobre a fonte da confiança e o chamamento de Cristo. Depois, uma novidade: meia hora de reflexão pessoal em silêncio antes de acolher o que cada pessoa deseja partilhar. «Não falam em pequenos grupos de partilha, mas, se os convidarem a expressarem-se perante todos e os escutares, eles participarão», explicou a irmã Ann.

Todas as noites, na sala do Sexto Ano transformada em espaço de oração, toda a escola se reúne para uma oração comunitária; com oração à volta da Cruz à sexta-feira e Noite de Luzes no sábado. No domingo, uma delegação de pupilos junta-se aos jovens da paróquia. Após o serviço, oitenta jovens de toda a cidade reuniram-se. Juntos, assistimos a um filme sobre o encontro em Kigali, que está a ser preparado para Novembro de 2012.

No Sudão do Sul, a Igreja está ainda muito perto das suas origens. Como em outros locais e outros momentos, Cristo comunica através do testemunho de comunidades que celebram um Deus que está presente no sofrimento humano, que deu a Sua vida e abriu um caminho de vida através de grande sofrimento e humilhação. Permite às pessoas que procurem e encontrem um sentido para a sua vida mesmo nas circunstâncias mais dramáticas. Os primeiros missionários, os primeiros padres africanos que consumiram a sua vida no fogo do Evangelho, fundamentaram a sua mensagem de paz e perdão. Hoje, os que consagram a Ele as suas vidas e servem os seus anfitriões africanos garantem que a transmissão continue.

JPEG - 20.3 kb

Celebração em Rumbec

Printed from: http://www.taize.fr/pt_article15795.html - 12 November 2019
Copyright © 2019 - Ateliers et Presses de Taizé, Taizé Community, 71250 France