Um caminho de Evangelho junto à fonte de Santo Estevão

Na Primavera de 2015, alguns ícones feitos com cascas de árvores foram instalados no caminho que desce a colina até ao lago e à fonte de Santo Estevão, um lugar em Taizé para caminhar em silêncio e meditação.

Estes ícones foram preparados nas oficinas dos irmãos que vivem em Nairobi pelo irmão Denis, que entrou na vida eterna dia 28 de Novembro de 2015. O trabalho do irmão Denis também foi apresentado recentemente na sala de exposição de Taizé: «Do material recuperado à arte».

Este «caminho de Evangelho» foi inaugurado no final de Abril de 2015 com uma peregrinação, que contou com a presença do irmão Alois, de vários irmãos da Comunidade e de uma centena de jovens presentes em Taizé nessa semana. O percurso foi orientado por estudantes do Instituto Teológico Protestante de Paris, que leram os vários textos do Evangelho e fizeram uma meditação na última estação (ver texto abaixo na alínea «Pentecostes»).

Depois, ao longo do ano 2015, foi proposto um ateliê àqueles que se interessavam com o título: «Um caminho de Evangelho. Caminhar e rezar até à fonte de Santo Estevão, acompanhados por cenas do Evangelho feitas na oficina dos irmãos de Taizé em Nairobi a partir de cascas de árvores locais.»

Aqui encontra-se uma apresentação de seis das dezoito estações. Um caderno será publicado no início de 2016, com todos os ícones e os textos de cada etapa do caminho.


1. A Anunciação (Lc 1,38)


Maria disse, então: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra.» E o anjo retirou-se de junto dela.

Esta visita do anjo foi uma promessa, mas também um chamamento que reclamava uma resposta, um sim sem regresso; um sim livre.

Rezar pelos que são chamados a comprometer toda a sua vida através de um sim.


4. A fuga para o Egipto (Mt 2,14)


José levantou-se de noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egipto.

Jesus já nem sequer é um sem-abrigo, mas está a fugir, tornando-se refugiado em terra estrangeira.

Rezar pelos imigrantes, pelos refugiados, pelos exilados.


9. O Bom Pastor (Jo 10,14-15)

Jesus disse: «Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem-me, assim como o Pai me conhece e Eu conheço o Pai; e ofereço a minha vida pelas ovelhas.»

«Sou porventura o guarda do meu irmão?», perguntava já Caim. Sim, claro que sou esse guarda…

Rezar por todos os que, na Igreja, têm um ministério de pastor: bispos, padres, pastores, responsáveis leigos.


11. O lava-pés (Jo 13,8.14-17)


Jesus disse: «Se Eu, o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Na verdade, dei-vos exemplo para que, assim como Eu fiz, vós façais também.»

Somos convidados por Jesus para o serviço humilde junto dos nossos irmãos e irmãs.

Rezar pelos que servem com amor em hospitais ou lares.


A Ressurreição (Jo 20,16-17)

Disse-lhe Jesus: «Maria!» Ela, aproximando-se, exclamou em hebraico: «Rabbuni!» - que quer dizer: «Mestre!» Jesus disse-lhe: «Não me detenhas, pois ainda não subi para o Pai; mas vai ter com os meus irmãos e diz-lhes: ’Subo para o meu Pai, que é vosso Pai, para o meu Deus, que é vosso Deus.’»

Chamados também pelo nosso nome, quem não gostaria de deter Jesus? Mas não; ele pede-nos: «Vai e diz-lhes!»

Rezar por todos os que hoje são testemunhas da Ressurreição.


18. O Pentecostes (Act 2,1-4)

Quando chegou o dia do Pentecostes, encontravam-se todos reunidos no mesmo lugar. De repente, ressoou, vindo do céu, um som comparável ao de forte rajada de vento, que encheu toda a casa onde eles se encontravam. Viram então aparecer umas línguas, à maneira de fogo, que se iam dividindo, e poisou uma sobre cada um deles. Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar outras línguas, conforme o Espírito lhes inspirava que se exprimissem.

Não somos órfãos, mas habitados pelo Espírito Santo, cheios de dons para irmos por todo o mundo.

Rezar pela Igreja, pelas igrejas, pela reconciliação dos cristãos «para que o mundo possa acreditar».

Meditação escrita por três jovens estudantes de teologia em Paris

Jesus Cristo enviou o Seu Espírito sobre os Apóstolos e prometeu fazer o mesmo por nós. Uma língua de fogo desceu sobre cada um deles; o Espírito Santo sopra sobre cada um de nós. Mas porque há-de vir sobre mim? Que tenho eu de especial?
Olha para a natureza à tua volta. A formiga, a árvore, o peixe, não têm todos o mesmo lugar, mas cada um é necessário para o equilíbrio da Criação. Da mesma forma, aonde tu estás, se não ficares no lugar que Deus te dá haverá um vazio.
Jesus Cristo na cruz, Jesus Cristo ressuscitado, foi até ao fim na sua missão e chama-nos a segui-lo. Tens um lugar para assumires, que é o teu lugar, o lugar que Deus preparou para ti. Os dons que o Espírito Santo te dá hão-de ajudar-te a mantê-lo no coração do mundo. Reconhecemos o Espírito Santo pelos seus frutos: amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, auto-domínio.
Por isso, ouve, escuta, aprofunda o teu silêncio. Pois é aí que o caminho se revela.

Printed from: http://www.taize.fr/pt_article19869.html - 9 April 2020
Copyright © 2020 - Ateliers et Presses de Taizé, Taizé Community, 71250 France