Ucrânia | Um artigo do irmão Alois

A pedido do semanário francês La Vie [https://www.lavie.fr/ma-vie/spiritualite/frere-alois-en-ukraine-le-mal-naura-pas-le-dernier-mot-81047.php], o irmão Alois escreveu um artigo que publicamos na íntegra aqui.

«Na Ucrânia, o mal não terá a última palavra»

Este ano, o Tempo da Quaresma começa quando o continente europeu é atingido pela guerra. Esta trágica notícia mergulha-nos em pleno no mistério do mal. O próprio Jesus fez essa experiência ao aceitar livremente perder a vida na cruz: ele foi até ao extremo do sofrimento. A caminho da Páscoa, somos sustentados por esta esperança: para além da cruz, através da ressurreição de Cristo, Deus abriu um caminho de vida para toda a humanidade.

Como é possível que o fogo de armas e das bombas dilacere povos tão próximos em tantos aspectos? Tantas famílias têm parentes nos dois lados da fronteira... Durante uma peregrinação à Rússia, Bielorrússia e Ucrânia em 2015, com um pequeno grupo de jovens de vários países, fui testemunha disso a caminho dum hospital em Kiev com soldados ucranianos feridos em combate. Connosco estava uma jovem da Rússia. Há alguns dias, na eclosão da guerra, esta jovem russa recordou esta visita e partilhou esta história: «Quando entrei no hospital, fiquei paralisada de medo e de vergonha. No início, não conseguia dizer nada. Depois comecei a contar que quando era criança, todos os anos no verão eu ia para a casa do meu avô na Ucrânia e que o meu primo nasceu na Ucrânia. Então os soldados ucranianos começaram a mudar, um deles de repente disse que a sua esposa era russa, depois outro disse que os seus pais moravam na Rússia... E ficou claro que de facto éramos muito próximos, que éramos como irmãos e irmãs.»

Rezemos para que estas sementes de partilha e de comunhão não sejam arrancadas pela loucura da guerra, mas que, a longo prazo, sejam mais fortes do que a violência sem sentido. É quase demasiado cedo para expressar este desejo, pois em cada dia que passa o número de vítimas e feridos aumenta. No entanto, mantenhamos enraizada no fundo de nossos corações esta esperança de que o mal não terá a última palavra.

O Papa Francisco pediu um dia de jejum e oração nesta quarta-feira de cinzas. Em muitos lugares em todo o mundo os crentes reúnem-se para rezar pela paz. Há poucos dias, recebemos em Taizé a mensagem dum padre ortodoxo na Rússia: também na sua paróquia rezam pela paz.

Sim, para viver este Tempo da Quaresma em solidariedade com aqueles que sofrem com a guerra que assola a terra da Ucrânia, levemos na nossa oração as vítimas e as suas famílias enlutadas, os feridos, aqueles que tiveram que fugir, aqueles que quiseram e não puderam fazê-lo, e também todos aqueles que optaram por ficar onde moram. Pensemos nas pessoas mais vulneráveis, que serão as primeiras a sofrer as consequências do conflito armado, nas crianças que sofreram, nos jovens que não veem futuro.

Na nossa oração, não nos esqueçamos de pedir ao Espírito Santo que inspire os líderes dos povos e todos aqueles que estão em condições de influenciar o curso dos acontecimentos, para que o fogo das armas cesse o mais rápido possível. Rezemos para que a guerra não aumente as divisões dentro das igrejas e das famílias e que os líderes da igreja acompanhem todos os que são afetados por esta terrível provação. E como toda a vida humana conta aos olhos de Deus, pensemos nos combatentes de todos os países envolvidos e também nas suas famílias, por exemplo naquelas avós que veem os seus netos irem para a frente, para uma guerra que não escolheram nem desejaram. Talvez, um dia, eles saiam às ruas para proclamá-lo...

Como este Tempo da Quaresma começa sob auspícios sombrios, somos chamados a viver estes quarenta dias em comunhão com aqueles que, não só na Europa, mas em todo o mundo, são afetados pela violência. Na cruz, Cristo abriu os braços para abraçar toda a humanidade. Uma humanidade muitas vezes dilacerada, mas para sempre unida no coração de Deus.

Printed from: https://www.taize.fr/pt_article33477.html - 16 July 2024
Copyright © 2024 - Ateliers et Presses de Taizé, Taizé Community, 71250 France