Descobrir a comunhão de forma concreta

Alemanha

«Quando compreendemos que Deus nos ama, e que ama até o mais abandonado dos seres humanos, o nosso coração abre-se aos outros. Ficamos mais atentos à dignidade da pessoa humana, e interrogamo-nos: como preparar os caminhos de confiança na terra? Por muitos poucos meios que possamos ter, não seremos chamados a transmitir à nossa volta, com as nossas vidas, um mistério de esperança?»

Estas linhas da Carta 2002 do irmão Roger foram meditadas aquando dos numerosos encontros e serões de oração que se realizaram no norte da Alemanha, durante duas semanas, cada noite num local diferente. Estes locais eram muito variados: Berlim, Hamburgo, Bremen, Hanover, Schwerin, Stralsund, mas também em pequenas vilas, aldeias, locais no meio do campo ou na costa báltica...

Os encontros eram tão diversos como os locais e as pessoas. Ao princípio mal se conheciam, mas durante a oração em comum depressa se sentia a comunhão. As igrejas estavam tão bem decoradas: velas, alguns ícones e tapetes para quem não se podia sentar no chão, contribuíam para criar uma atmosfera calorosa. E os que não conheciam os cânticos de Taizé facilmente entravam, pois de vez em quando estavam presentes pequenos coros e instrumentistas.

Em Markee, Gut Neuhof, La Fazenda de l’espérance é um projecto para jovens que têm problemas de droga ou outras dependências. É uma oportunidade para estas crianças das ruas e para jovens perdidos. Jovens alemães, brasileiros e de vários países europeus trabalham em conjunto e benevolamente com jovens toxicómanos que procuram ultrapassar a sua dependência. Aquando do encontro e da oração podia sentir-se uma grande proximidade entre todos. «A esperança e a comunhão que podemos transmitir através da nossa vida» era um dos temas. Um dos responsáveis de Gut Neuhof escreve: «Tentamos viver uma comunhão fraterna, com toda a nossa diversidade e dificuldades. A fonte da nossa força é a oração e a palavra de Deus.»

Em Stralsund, alguns estudantes de uma cidade vizinha também tinham vindo para a oração da noite. Os cânticos ressoaram durante muito tempo, as velas enchiam o espaço com uma luz quente. Algumas pessoas já tinham ouvido falar de Taizé no tempo da RDA comunista, e sabiam que já eram acompanhadas há muito tempo na sua fé graças aos cânticos. Outros só encontraram um caminho para a confiança em Deus depois das mudanças políticas. Uma das participantes disse que era a primeira vez que rezava. Poder encontrar-se e partilhar num contexto tão diferente encorajava: pessoas no início da fé, jovens recentemente baptizados, estudantes empenhados numa sociedade aberta, cristãos mais velhos que não perderam a confiança em Deus, cristãos evangélicos, católicos... Para todos os que tinham vindo, era uma confirmação para continuarem a avançar no caminho da confiança. Ao escutar os relatos das diversas experiências, todos podiam encontrar um encorajamento para oferecerem aos outros alguma coisa da sua própria vida.

Em Hamburgo, no centro da cidade, a grande igreja Sankt Petri estava cheia para a «Noite da luz». Esse serão tinha sido preparado por um grande grupo que reunia todos os que rezam regularmente em paróquias evangélicas, livres e católicas, e que assim tinham uma ocasião para se conhecerem melhor.

Muitos jovens adultos têm ido a Berlim durante estes últimos anos para estudar ou trabalhar. Não é fácil inserir-se num novo ambiente, encontrar o seu lugar numa cidade tão agitada. O serão de oração na igreja evangélica Segenskirche de Prenzlauer Berg realizava-se no próprio dia do terrível drama no liceu de Erfurt. No silêncio e nas intenções da oração, todos pensaram particularmente nas vítimas e nas suas famílias. Alguém tinha acabado de chegar de Erfurt e contou como toda a cidade estava em estado de choque. Do meio da dor e da estupefacção, surgia também a acção de graças por essa oração em comum. É quando as palavras faltam que estas ocasiões ganham toda a importância. A oração semanal tornou-se para muitos como que uma casa acolhedora no meio do anonimato da cidade.

Em Schwerin, algumas pessoas lembravam-se da oração do irmão Roger. que se tinha realizado antes da mudança do regime. Nessa época, para muitos, não tinha sido fácil ir a essa oração. Alguns eram observados, não se sabia se haveria consequências. Desde a mudança, em números cada vez maiores, jovens e adultos de Schwerin e dos arredores têm podido ir a Taizé. Para alguns era um sonho irrealizável durante anos, para outros um primeiro contacto com a fé. Em conjunto, todos querem continuar no quotidiano das suas vidas na paróquia. Encontram-se regularmente para uma oração. Nesse sábado à tarde, estavam todos na catedral evangélica. Para os jovens católicos da diocese, era a oração que concluía um dia passado em conjunto. No fim, a chama do círio pascal foi dada pouco a pouco a todos os participantes, sinal de que Cristo traz luz para as nossa noites, que nunca nos deixa sós.

De todas estas visitas fica uma grande esperança. Em todo o lado há gente que se põe em marcha para abrir caminhos em direcção à confiança, às vezes de forma discreta. Estes serões encorajam: visitar-se, juntar-se, caminhar em conjunto, partilhar as experiências, permite descobrir a comunhão de uma forma concreta. Sente-se que não se está sozinho. E os círculos alargam-se, a esperança torna-se tangível para outros. Há muitos que marcham em conjunto neste caminho.

Printed from: https://www.taize.fr/pt_article564.html - 11 April 2021
Copyright © 2021 - Ateliers et Presses de Taizé, Taizé Community, 71250 France