irmão Alois 2009

Carta do Quénia

De 26 a 30 de Novembro de 2008, 7 000 jovens de várias regiões do Quénia, de outros países africanos e de outros continentes reuniram-se em Nairobi. Este foi o segundo encontro internacional animado em África pela Comunidade de Taizé, depois do encontro de Joanesburgo, na África do Sul, em 1995. Esta etapa da «Peregrinação de Confiança através da Terra» foi acolhida por 80 paróquias das diferentes Igrejas de Nairobi. O seu objectivo foi o de procurar contribuir para a construção de relações mais fraternas e de ajudar a que se ponham de lado falsas representações dos outros, alimentadas pela falta de contacto entre povos e por feridas da história.
 
A Comunidade de Taizé está presente há 55 anos no continente africano, através de pequenas fraternidades de irmãos que partilham a vida dos mais pobres. Ao longo dos anos, os irmãos viveram na Argélia, Costa de Marfim, Níger, Ruanda e Quénia. Os irmãos estão agora há 16 anos no Senegal, num bairro popular de Dacar em que a maioria da população é muçulmana.
 
Desmond Tutu, arcebispo anglicano emérito da Cidade do Cabo (África do Sul), escreve: «Em África, a crucificação e a ressurreição encontram o seu significado mais profundo. A construção da confiança e da reconciliação é, aqui, uma realidade em marcha diariamente... Somos todos filhos de Deus e, em Cristo, não há nem ruandês nem congolês, não há nem burundês nem queniano, não há nem nigeriano nem sul-africano: somos todos um em Jesus Cristo. Sei que a Comunidade de Taizé também traz esta mensagem e que está solidária connosco quando a procuramos aplicar na África do Sul, em todo o continente africano e no resto do mundo, onde o medo do estrangeiro ainda precisa de ser transformado em amizade, reconciliação e confiança.»
 
Em África, as provações não suprimem o sentido da dignidade, perceptível especialmente nos mais pobres. As dificuldades da vida não afastam a alegria, a gravidade das situações não exclui a dança. São muitos os que recusam ceder ao desespero. Na primeira linha encontram-se frequentemente mulheres, que assumem com criatividade e perseverança muitas tarefas na família e na sociedade.
 
Perante as situações dilacerantes que enfrenta o continente, há muitas pessoas que continuam corajosamente a procurar a reconciliação e a pacificação. Para os cristãos, trata-se de permanecer firmes nesta esperança: a ligação do baptismo em Cristo é mais forte do que as divisões. Há cristãos africanos que pagaram com a sua vida esta convicção da fé.
 
Esta «Carta do Quénia», escrita pelo irmão Alois para o ano de 2009, foi publicada durante o Encontro Europeu de Jovens que reuniu 40.000 jovens em Bruxelas, no final do mês de Dezembro de 2008.

Em todo o mundo, a sociedade e os comportamentos modificam-se rapidamente. Há possibilidades prodigiosas de desenvolvimento que se multiplicam, mas surgem também instabilidades e acentuam-se as inquietações perante o futuro. [1]

Para que o progresso técnico e económico traga consigo mais humanidade, é indispensável procurar um sentido profundo para a vida. Perante o desalento e a desorientação de muitas pessoas, surge a pergunta: de que fonte vivemos nós?

Alguns séculos antes de Cristo já o profeta Isaías indicava uma fonte, quando escrevia: «Aqueles que confiam no Senhor renovam as suas forças. Correm sem se cansar, marcham sem desfalecer.» [2]

Aqueles que não encontram esta fonte são mais numerosos hoje do que noutros tempos. Até o nome de Deus está sobrecarregado de mal-entendidos ou completamente esquecido. Será que há uma relação entre este apagamento da fé e a perda do gosto de viver?

Como poderemos purificar em nós essa fonte? Não será permanecendo atentos à presença de Deus? É aí que podemos encontrar esperança e alegria.
Então a fonte começa a jorrar novamente e a nossa vida ganha sentido. Tornamo-nos capazes de assumir a nossa vida: recebê-la como um dom e, pelo nosso lado, dá-la por aqueles que nos são confiados.

Mesmo com uma fé muito pequena, realiza-se uma mudança: deixamos de viver centrados sobre nós mesmos. Abrindo a Deus as portas do nosso próprio coração preparamos também o caminho da sua vinda para muitas outras pessoas.

Assumir a nossa vida

Sim, Deus está presente em cada pessoa, crente ou não-crente. Desde a sua primeira página, a Bíblia descreve com uma grande beleza poética o dom que Deus faz do seu sopro de vida a todo o ser humano. [3]

Através da sua vida na terra, Jesus revelou o amor infinito de Deus por cada pessoa. Dando-se até ao extremo, ele inscreveu o sim de Deus no mais profundo da condição humana. [4] Desde a ressurreição de Cristo, já não podemos desesperar por causa do mundo nem por causa de nós próprios.

Desde então, o sopro de Deus, o Espírito Santo, é-nos dado para sempre. [5] Pelo seu Espírito que habita nos nossos corações, Deus diz sim àquilo que nós somos. Nunca nos cansaremos de ouvir estas palavras do profeta Isaías: «O Senhor elegeu-te como preferida, e a tua terra receberá um esposo.» [6]

Aceitemos então aquilo que somos ou que não somos, procuremos ir até ao ponto de assumir tudo o que não escolhemos e que contudo faz parte da nossa vida. [7] Ousemos criar mesmo que seja partindo do que não é perfeito. E encontraremos liberdade. Mesmo sobrecarregados de fardos, receberemos a nossa vida como um dom e cada dia como um dia de Deus. [8]

Chamados a ir para além de nós próprios

Deus está em nós, mas está também à nossa frente. [9] Ele acolhe-nos tal como nós somos, mas também nos leva para além de nós próprios. Por vezes, vem perturbar a nossa vida, alterar os nossos planos e os nossos projectos. [10] A vida de Jesus motiva-nos a entrar nesta perspectiva.

Jesus deixava-se conduzir pelo Espírito Santo. Ele nunca deixava de se referir à presença invisível de Deus, seu Pai. É aí que se encontra o fundamento da sua liberdade, que o levou a dar a sua vida por amor. Nele, relação com Deus e liberdade nunca se opunham, mas reforçavam-se mutuamente. [11]

Em todos nós há o desejo de um absoluto em direcção ao qual orientamos todo o nosso ser, corpo, alma e inteligência. Há uma sede de amor que arde em cada um, do pequeno bebé à pessoa de idade avançada. Nem mesmo a mais profunda intimidade humana a pode saciar plenamente.

Frequentemente, vemos essas aspirações como algo que nos falta ou como um vazio. Por vezes, elas podem dispersar-nos. Mas, longe de serem uma anomalia, elas fazem parte de nós. Elas são um dom, já contém o chamamento de Deus para nos abrirmos.

Então, cada um é convidado a interrogar-se: em que sentido sou agora chamado a ir mais longe? Não se trata necessariamente de «fazer mais». O que somos chamados é a amar mais. E como o amor precisa de todo o nosso ser para se expressar, cabe-nos a nós procurar, sem esperar nem mais um minuto, formas de permanecer atentos ao nosso próximo.

O pouco que está ao nosso alcance, devemos fazê-lo

Ajudar-nos uns aos outros a aprofundar a fé:

Há muitos jovens que se sentem isolados na sua caminhada interior. Quando dois ou três se juntam, podem ajudar-se ­mutuamente, partilhar e rezar juntos, mesmo com aqueles que se acham mais próximos da dúvida do que da fé. [12]

Uma partilha deste género encontra um grande apoio quando está integrada na Igreja local. [13] Ela é a comunidade das comunidades, onde todas as gerações se encontram e onde as pessoas não se escolhem umas às outras. A Igreja é a família de Deus: essa comunhão que nos faz sair do isolamento. Nela somos acolhidos, nela o sim de Deus à nossa existência é actualizado, nela encontramos a indispensável consolação de Deus. [14]

As paróquias e grupos de jovens são chamados a ser em primeiro lugar locais de bondade e de confiança, locais acolhedores onde estamos atentos aos mais fracos.

Ultrapassar as compartimentações das nossas sociedades:

Para participar na construção de uma família humana mais unida, uma das urgências não será olhar para o mundo «a partir de baixo»? [15] Esse olhar implica uma grande simplicidade de vida.

As comunicações tornam-se cada vez mais fáceis, mas ao mesmo tempo as sociedades permanecem muito compartimentadas. O risco da indiferença recíproca não pára de crescer. Ultrapassemos as compartimentações das nossas sociedades! Vamos ao encontro dos que sofrem! Procuremos visitar aqueles que são postos de lado ou maltratados! Pensemos nos imigrantes, que estão tão perto de nós e por vezes tão distantes! [16] Nos locais onde cresce o sofrimento, vemos frequentemente multiplicarem-se projectos concretos que são verdadeiros sinais de esperança.

Para lutarmos contra as injustiças e ameaças de conflitos, para fomentarmos uma partilha de bens materiais, é indispensável adquirirmos competências. Perseverar nos estudos ou numa formação profissional também pode ser uma forma de servir os outros.

Há formas de pobreza ou de injustiça escandalosas, que saltam à vista, mas também há formas de pobreza menos visíveis. A solidão é uma delas. [17]

Há preconceitos e mal-entendidos que por vezes são transmitidos de geração em geração e que podem conduzir a actos de violência. Também há formas de violência aparentemente inofensivas, mas que causam danos e humilhações. O escárnio é uma delas. [18]

Onde quer que estejamos, procuremos, sozinhos ou em pequenos grupos, realizar gestos junto de pessoas que sofrem. Descobriremos assim a presença de Cristo mesmo onde não a esperávamos. Ressuscitado, ele está presente no meio dos homens. Ele vai à nossa frente nos caminhos da compaixão. E, pelo Espírito Santo, ele renova desde já a face da Terra.

[1Apesar do crescimento económico mundial e da esperança de desenvolvimento, em muitos países os bairros de lata alargam—se em vez de diminuírem e o desemprego atinge duramente muitas pessoas, sobretudo os jovens. Em África, a rapidez do progresso técnico pode asfixiar o sentido das maturações lentas, que é muito fecundo na vida tradicional. Por outro lado, a solidariedade familiar e étnica está a enfraquecer. Como se poderá voltar a dar vida a este valor e alargá-lo para além dos limites da família e das etnias? Isso contribuiria para diminuir a partida de muitos jovens, atraídos pelos países com níveis de vida mais elevados, por vezes sem poderem avaliar bem as consequências dessa decisão.

[2Isaías 40,31. Já no tempo em que estas palavras foram pronunciadas, o desalento era uma realidade: «Eu dizia a mim mesmo: em vão me cansei, em vento e em nada gastei as minhas forças» (Isaías 49,4). E ainda: «Até os adolescentes se cansam e se fatigam e os jovens tropeçam e vacilam» (Isaías 40,30). Mas o profeta estimula a esperança: «O Senhor é um Deus eterno. Ele dá forças aos que estão cansados» (Isaías 40,28-29).

[3É verdade que há muitos obstáculos que podem asfixiar a vida: as injustiças, a violência à nossa volta e em nós, o espírito de competição, os nossos erros, o medo ou uma certa tendência a nos fecharmos perante o que é diferente, a falta de estima por nós próprios...

[4Em vastas regiões de África, por exemplo entre os cristãos Massai, Cristo é visto como o irmão mais velho. Isso vai no mesmo sentido da seguinte expressão dos primeiros cristãos: Cristo «é o primogénito de muitos irmãos» (Romanos 8,29), «o primogénito de toda a criatura» (Colossenses 1,15). Pela sua morte e ressurreição, Jesus transcende a solidariedade familiar e étnica (ver Colossenses 1,18-20).

[5Nas línguas bíblicas, «sopro» e «espírito» são uma só palavra. Os profetas anunciaram que, pelo Espírito Santo, o próprio Deus habitaria no ser humano (Ezequiel 36,26-27). Pela vinda de Cristo, pela sua morte e ressurreição, o Espírito Santo é dado «sem medida» (João 3,34). Desde então, o Sopro de Deus age continuamente na humanidade, para que um dia ela forme um só Corpo em Cristo.

[6Isaías 62,1-4.

[7Assumir a realidade presente não significa aceitar tudo nem que nos sujeitemos passivamente aos acontecimentos. Podemos ser levados a resistir a uma situação injusta ou a denunciá-la.

[8Um dos primeiros livros do irmão Roger tinha como título Viver o hoje de Deus (1958). O irmão Roger estava convicto de que é importante os cristãos estarem plenamente presentes na sociedade actual, em vez de se queixarem, na nostalgia do passado ou numa fuga em direcção a um futuro ilusório. É apenas no momento presente que podemos encontrar Deus e viver de Deus.

[9Um crente africano, santo Agostinho, escrevia esta oração no século IV: «Tu eras mais interior do que o íntimo de mim mesmo e mais sublime do que o mais sublime de mim mesmo» (Confissões, Livro III, VI, 11).

[10«Os meus planos não são os vossos planos», diz o Senhor (Isaías 55,8). A Virgem Maria também consentiu ir para além de si própria, até à incompreensível morte do seu filho, continuando a acreditar que Deus é fiel à sua promessa de vida.

[11Durante o Sínodo dos Bispos de Outubro de 2008, o Cardeal Danneels, Arcebispo de Malines-Bruxelas, disse: «A força da palavra implica a liberdade de resposta do auditor. É precisamente o poder próprio à Palavra de Deus. Ela não elimina a liberdade do auditor, mas dá-lhe fundamento.»

[12Jesus disse: «Quando dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estou no meio deles» (Mateus 18,20).

[13Os primeiros cristãos «eram assíduos ao ensinamento dos Apóstolos, fiéis à união fraterna, à fracção do pão e às orações» (Actos 2,42). Em África, como na América Latina e em alguns países asiáticos, os cristãos reúnem-se não apenas em paróquias, mas também por bairros ou aldeias, em pequenas comunidades eclesiais. Eles rezam juntos e apoiam—se mutuamente. Há um calor humano e um compromisso pessoal de cada um que contribuem para fazer com que a Igreja seja um autêntico lugar de comunhão.

[14Em África, a Igreja é vista frequentemente como a família de Deus, e Deus é visto como uma mãe que consola. Já o profeta Isaías escrevia: «Deus diz: Como a mãe consola o seu filho, assim eu vos consolarei» (Isaías 66,13). Ver também Isaías 49,13-15. Olhar para a Igreja desta forma estimula—nos a procurar a sua unidade. Não nos podemos resignar passivamente a deixar a família de Deus permanecer dividida em múltiplas confissões.

[15O teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer pertencia a uma classe privilegiada mas, durante a segunda guerra mundial, o seu compromisso junto da resistência conduziu-o à precariedade, e depois à prisão e à morte. Ele escreveu em 1943: «Foi uma experiência de valor incomparável ter aprendido, de repente, a olhar para os grandes acontecimentos da história mundial a partir de baixo, da perspectiva dos excluídos, dos suspeitos, dos maltratados, das pessoas sem poder, dos oprimidos e dos rejeitados, numa palavra, daqueles que sofrem.»

[16Se, felizmente, há esforços que hoje são feitos para apoiar culturas ameaçadas de desaparecimento, também é verdade que nenhuma cultura se desenvolve em vaso fechado. Na hora da mundialização, a mestiçagem de culturas não é apenas inevitável, ela é um trunfo para as nossas sociedades.

[17Há um provérbio do Quénia que recorda isso mesmo: «Não há nenhum homem que não possa tornar-se órfão.»

[18O irmão Roger escrevia na Regra de Taizé (1954): «O escárnio, esse veneno numa vida comunitária, é traiçoeiro, porque através dele se lançam pseudo-verdades que não se conseguem dizer num frente-a-frente. Ele é cobarde, porque arrasa um irmão perante os outros.»

Printed from: https://www.taize.fr/pt_article7824.html - 4 December 2021
Copyright © 2021 - Ateliers et Presses de Taizé, Taizé Community, 71250 France